HOME | FALE conosco | TRABALHE CONOSCO | CADASTRE-SE | Indique este SITE | Links | Email
 
O INSTITUTO
PROGRAMAS
PARCERIA NOTA 10
Fotos do Vero
   
 Notícias sobre educação
 


Anlise Socioespacial do Litoral Sul de Pernambuco: notas de um trabalho de campo




Por: Ranniery Pinheiro Alves1, Jane Roberta de Assis Barbosa2, Joo da Silva Generino3 e Maria Ana Paula Freire da Silva4


Este texto produto de uma reflexo iniciada nos encontros de Formao Continuada de Professores em Servio do Programa Qualiescola II convnio firmado entre a Secretaria Municipal de Educao/Recife e Instituto Qualidade no Ensino com vistas melhoria na qualidade do ensino de Geografia. O litoral sul de Pernambuco, mais especificamente, os municpios de Jaboato dos Guararapes, Cabo de Santo Agostinho e Ipojuca, vem ganhando uma nova situao geogrfica, que se intensificou a partir de 1980 e continuam em ritmo mais acelerado (2005-2011) devido, principalmente, ao Complexo Porturio de Suape e seu entorno.


A realizao do trabalho de campo foi precedida pelo estudo do Caderno Conceito e Ao, Volume I, e por um arcabouo terico-metodolgico com base na Geografia Nova, tendo como referncia a concepo de paisagem entendida como resultado cumulativo de tempos e uso de tcnicas, constituda por fatos do passado e do presente, formada por cores, sons, odores, formas e movimentos (Santos 2008). Some-se a isto a ideia de situao geogrfica em Silveira (1999), definida pela localizao material e relacional de um evento que conduz pergunta pelo processo que o gerou, considerando assim, o momento histrico que o permeia.


A primeira parada foi na Praia de Piedade onde se observou a partir da paisagem e dos dados levantados previamente o aumento no nmero de imveis (dcada de 80); o avano do mar (dcada de 90); e o nmero significativo de imveis voltados a atender trabalhadores de Suape, alm da realizao de uma obra do Governo Federal para a reestruturao da orla. importante destacar que o avano do mar sobre a costa destruiu a praia local. O mar chega ao muro dos prdios beira mar, provocando desvalorizao imobiliria e interferindo negativamente na qualidade de vida dos moradores e frequentadores do local.


A Praia do Paiva caracterizada no seu processo de ocupao inicial pelas casas de veraneio (dcada de 1940), atualmente marcada pela presena de condomnios de alto padro, os quais convivem com a poluio do Rio Jaboato, que recebe dejetos de indstrias. A implantao do projeto turstico/imobilirio composto por capital privado, na Reserva do Paiva, exigiu a construo de uma ponte e de uma via. Tais obras, alm de possibilitarem a criao de um nova rota para o litoral sul, ofereceram condies para a ocupao da praia local, onde tambm foi observado um processo acelerado e recente de abraso marinha com a destruio da faixa de praia e a queda dos coqueiros mais prximos orla.


J a Praia de Suape tem o turismo de sol e mar, viabilizado pelo Projeto Costa Dourada no mbito do Programa de desenvolvimento ao Turismo - PRODETUR/NE sua principal dinmica. A pesca artesanal continua bastante significativa.


Em se tratando do Complexo Porturio e Industrial de Suape, a partir da anlise da paisagem local, possvel perceber a forte influncia das obras constantes e toda infraestrutura criada com vistas ao refino do petrleo e escoamento da produo. O complexo implantado a partir da dcada de 1970, como uma opo de transferncia e operao do Parque de Combustveis da Petrobrs do Porto do Recife para uma rea mais afastada do centro urbano para que permitisse a operao de grandes navios. A partir de 2005, a rea do Complexo de Suape ganhou maior dinamicidade com a implantao dos projetos e da construo da Refinaria Abreu e Lima, do Estaleiro Atlntico Sul e da Petroqumica da Petrobrs, que obrigaram os poderes pblicos a pensarem a ampliao e dinamizao da infraestrutura (rodovias, ferrovias, telecomunicaes, energia, saneamento, etc.) e com isso, milhares de empregos e grande movimentao de mquinas transformaram o lugar em um verdadeiro canteiro de obras de propores agigantadas e com grandes alteraes ambientais, no sendo possvel visualizar a compatibilidade entre o discurso e a prtica preservacionista.


Outro local visitado, que nos chamou bastante ateno, a sede do Municpio de Ipojuca, que apresenta um aspecto urbano altamente desordenado, sendo perceptvel a falta de planejamento mais eficiente do uso e da ocupao do territrio. A desigualdade socioespacial exposta na paisagem urbana, ou seja, em oposio sede do Municpio de Ipojuca, o Distrito de Porto de Galinhas, com seu elevado valor turstico e imobilirio, apresenta-se melhor estruturado, viabilizando a realizao da atividade turstica e justificando a sua importncia no cenrio nacional e internacional como um verdadeiro paraso tropical.


importante ressaltar, na realizao dessa atividade a pesquisa produzida para gerar uma anlise mais criteriosa da paisagem com a qual iramos nos deparar, o exerccio prtico das concepes terico-metodolgicas discutidas no decorrer dos vrios encontros de formao e a percepo crtica a respeito das transformaes no territrio da Regio Metropolitana de Recife/PE, ocasionada pelas vrias obras ali realizadas (Complexo Industrial e Porturio de Suape, Projeto Costa Dourada, Projeto Reserva do Paiva) que se por um lado criam milhares de empregos, por outro criam uma nova situao geogrfica e acentuam as desigualdades socioespaciais existentes.


Conclumos com esta atividade, que a dinmica econmica aliada aos incentivos do Estado se impe sobre o uso socialmente justo do territrio, a despeito da preservao ambiental e interesses das populaes residentes nas reas analisadas, transformando-se em um laboratrio vivo para o ensino da geografia com vistas a formao continuada e realizao de atividades com alunos do Ensino Fundamental II, pblico-alvo do Programa Qualiescola II.


Mais fotos:



1Professor de Geografia da Rede Municipal de Ensino de Recife. Especialista em Educao Ambiental.
2Consultora do Instituto Qualidade no Ensino IQE. Doutoranda pelo Programa de Ps-Graduao em Geografia Humana pela USP.
3Professor de Geografia da Rede Municipal de Ensino de Recife. Especialista em Geografia Urbana.
4Professor de Geografia da Rede Municipal de Ensino de Recife. Especialista em Ensino de Histria.


Referncias bibliogrficas:
SANTOS, Milton. Metamorfoses do Espao Habitado. So Paulo: EDUSP, 2008 [ed. 1 HUCITEC 1988]. 136p.
SILVEIRA, Mara Laura. Uma Situao Geogrfica: do mtodo metodologia. Revista Territrio, ano IV n. 6, jan./jun. 1999. p. 22-28